Quantas vidas tem um desenho?

Este texto foi publicado na Folha de S. Paulo em 2018, mas infelizmente tenho que voltar ao assunto…

Na revista Pif-Paf, lançada por Millôr Fernandes em 1964, tinha sempre uma seção chamada “Pif-Paf analisa uma piada”, onde um cartum era totalmente dissecado e interpretado, em todas as suas possibilidades, com direito a altas divagações, na busca insaciável dos verdadeiros significados da obra. E o texto sempre começava com a palavra “evidentemente”. Hoje tenho a oportunidade de fazer uma coisa parecida, mas a cobaia do experimento será um desenho que eu mesmo fiz.

Evidentemente, trata-se de um desenho de humor cujo alvo é a figura patética de um obsessivo usuário das redes sociais. E, como eu sou o autor, não preciso perder tempo com hipóteses sobre as verdadeiras motivações da obra. Posso afirmar, com certeza absoluta, que este desenho foi feito para ser a ilustração de um texto do Renato Terra, publicado na revista Piauí, edição 66, em março de 2012.

Tempos depois, em 2014, o desenho foi publicado de novo, dessa vez num livro de humor gráfico chamado “A Arte de Zoar”. E aí, mesmo sem o acompanhamento do belo texto de Renato Terra, acho que a ilustração ainda conseguiu cumprir sua função de fazer surgir um sorriso no rosto do leitor.

Agora, em março de 2018, exatamente seis anos depois da primeira aparição, estou publicando mais uma vez a mesma imagem, só que neste momento o desenho ganhou um novo sentido. Depois da monumental cagada em que se envolveu o Facebook, a leitura agora é outra.

Evidentemente, trata-se de um desenho satírico feito para retratar a maneira descuidada e destrambelhada com a qual a plataforma digital azulzinha trata seus fiéis usuários e suas valiosas informações.

Daqui a alguns anos, depois da extinção do Facebook, se o planeta também não for extinto, e se por caso ainda existir por aí alguma cópia deste desenho, talvez algum pesquisador, especialista na iconografia do humor arcaico, venha a perder seu tempo tentando decifrar o misterioso significado desse troço. E talvez escreva alguma coisa, começando assim: “Evidentemente…”

(Visited 3 times, 1 visits today)

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *