Categoria Comportamento

A primeira aula de tiro a gente nunca esquece

 

O doutor Darth Vader dos Santos e o pastor Herodes da Silveira estavam exultantes naquela manhã. Eles iriam levar os netinhos para a primeira aula de tiro. Vários colegas do PMPC (Partido Macho pra Caralho) tinham recomendado a escola Espingardinha Feliz como um estabelecimento altamente capacitado para a educação de jovens atiradores.

Diego, o netinho do doutor Darth Vader, tinha cinco anos, e Camila, a neta do Pastor Herodes, tinha quatro.

As crianças estavam na idade ideal para começar a atirar. Aprender tiro é como aprender línguas: quanto mais cedo, melhor. Mas os colegas de partido ainda não tinham dado nenhuma dica de cursos de inglês, francês ou espanhol.

Quando chegaram na escola, foram recebidos pelo diretor, o doutor Temístocles Fonseca, um senhor idoso, militar expulso das Forças Armadas, que na juventude tinha prestado serviços de consultoria para o Esquadrão da Morte, no Rio de Janeiro. O Doutor Temístocles foi logo tranquilizando os vovôs, dizendo que a escola não usava o método Paulo Freire. Ali ele adotava o método Brilhante Ustra.

Com muita paciência, o professor Temístocles explicou tudo sobre as partes do revólver e disse que, se eles apertassem aquele negocinho que se chamava gatilho, as balinhas sairiam por aquele cano. Naquele momento, os dois vovôs estavam muito empolgados, lendo nos seus celulares algumas mensagens nas redes sociais esculachando aquele general cadeirante. O professor Temístocles também se interessou e foi dar uma olhada no seu celular. Aí só deu tempo de ouvir o Dieguinho falar com a Camila: “Olha que legal! É por aqui que saem as balinhas!”. Quando o professor tirou os olhos do celular para ver o que acontecia, as duas crianças já estavam com os canos dos revólveres na boca. Depois dos disparos, pedaços dos pequenos crânios e miolos se espatifaram nas paredes do estande de tiro.

Antes de se despedir dos vovôs, o diretor avisou que ia adicionar na conta uma quantia relativa à despesa com a faxina do local.
Quando saíram da escola, o pastor Herodes da Silveira coçou a cabeça e comentou com o colega: “É como dizia o Jair: isso aqui só tem jeito com uma guerra civil… Vão morrer alguns inocentes. Tudo bem. Em toda guerra morrem inocentes”.

 

*Texto publicado na Folha de S.Paulo em 2019.

O tatuador tuiteiro

Muitos amigos me ligaram, preocupados, querendo saber o que aconteceu com o tatuador tuiteiro que, por engano, tatuou uma mensagem no braço de um cliente, o lutador de MMA Max Marombão. Vejam aí na figura como ficou o trabalho.

É claro que o lutador de MMA e enfiou a porrada no tatuador, e depois exigiu providências imediatas para remediar a cagada. O tatuador disse que a maneira mais rápida e eficaz para se livrar da tatuagem seria a amputação do braço. Max Marombão não gostou da ideia e deu mais umas enchulapadas no tatuador. Em seguida, os dois passaram a cogitar sobre as opções de desenhos para cobrir aquele texto. O tatuador sugeriu então o desenho de um enorme coração envolvido por uma faixa onde se lê a palavra “Mother”. O lutador pensou um pouco e disse que não seria boa ideia, porque ele não se dá bem com a mãe. “A gente briga muito. E ela sempre perde”, disse ele.

Depois pensaram em caveiras, águias, punhais e o diabo, mas ele já tinha todos esses temas tatuados em outras partes do corpo, inclusive o diabo. O tatuador teve então uma ideia ousada: propôs tatuar o rosto do escritor Lima Barreto, homenageado da Flip em 2017. O lutador até achou a ideia interessante, mas preferiu não fazer, para não se sentir na obrigação de, no ano que vem, cobrir o Lima Barreto com o retrato do homenageado da Flip de 2018. O tempo estava passando e eles, já sem muita paciência,  resolveram optar para um clássico: a infalível imagem de Jesus Cristo. Essa é uma unanimidade, não tem erro.

E assim foi feito. O problema é que, dias depois, quando Max Marombão estava passeando pela primeira vez com sua nova tatuagem, um cara chegou perto e falou: “Que maneiro! Gostei dessa homenagem ao Aldir Blanc!”

Nem é preciso dizer que, depois dessa, o tatuador distraído levou mais umas bifas.

(Publicado na Folha de S. Paulo em julho de 2017)