Pequena história da CEJ

Na foto de Aloizio Jordão, a Companhia Estadual de Jazz levando um som no Triboz, famosa casa de jazz na off-Lapa, Rio de Janeiro.

A Companhia Estadual de Jazz (CEJ) existe desde 1998. O grupo começou tocando uma vez por semana, durante três anos seguidos, num bar do Rio de Janeiro chamado Satchmo (o apelido do Louis Armstrong). No primeiro CD da CEJ, lançado em 2000, a formação era: Sergio Fayne no piano, Chico Pessanha na bateria, Guilherme Vianna no sax tenor e flauta, André Barion na guitarra e eu no baixo elétrico. E contamos com as participações especiais de Guilherme Dias Gomes no trompete, Jean-Pierre Zanella no sax soprano, Guta Menezes na harmônica e Leo Leobons na percussão.

No segundo CD, chamado Via Bahia, lançado em 2007, a formação era um pouco diferente: a guitarra era do Fernando Clark, e eu atacava no contrabaixo. (Incentivado por Paulinho Albuquerque, eu já tinha me aventurado a encarar o contrabaixo, também chamado “baixo de pau”, ou “maria gorda”, ou “violino de elefante”, ou também, o apelido mais curioso, “dog house”).

Este segundo CD teve participações especiais de Gabriel Grossi na harmônica, Paulinho Trompete no trompete e no trombone, Jean-Pierre Zanella no sax soprano e Don Chacal na percussão. No encarte, contamos com as imagens baianas do fotógrafo Paulo Santos.

Nesses anos todos, a CEJ seguiu tocando nos bares da vida. Mas também em centros culturais e eventos muito especiais, como o Festival Internacional de Jazz de Montréal, no Canadá, em 2000 e 2009.

Tempos depois, o grupo virou um quarteto, só com Sergio Fayne, Fernando Clark, Chico Pessanha e eu. Infelizmente, por causa de um câncer, desde março de 2020 Sergio Fayne não está mais neste planeta para tocar aquele samba-jazz que ele tanto gostava. Mas, para homenagear o Sergio e manter viva a sua lembrança, a CEJ vai seguir em frente, e já conta com o apoio do jovem pianista Natan Gomes.

Estamos aí, esperando o mundo voltar ao normal. Enquanto isso, vocês podem ouvir o som da CEJ em todas as plataformas digitais.

E também podem clicar na nova seção “Tudo sobre a CEJ” (ou no menu CEJ) para ficar sabendo do passado, do presente e do futuro da Companhia Estadual de Jazz.

 

(Visited 35 times, 1 visits today)

2 Comments

  1. fmgouveia@gmail.com' Francisco Gouveia fevereiro 20, 2021 at 6:16 pm

    Passeando na Livraria Travessa do Leblon em fevereiro de 2021, folheando uns livros e ouvi um som ambiente que gostei muito, tanto que permaneci mais tempo na loja do que pretendia. Tive que levar o CD da CEJ Companhia Estadual do Jazz (grande sacada o nome do grupo) e agora, curtindo em casa também. Recomendo a quem gosta de música instrumental de qualidade, conhecer o trabalho do grupo. Parabéns ao Reinaldo e demais músicos do grupo.

    Reply
    1. Reinaldo Figueiredo fevereiro 22, 2021 at 2:19 pm

      Valeu, Francisco. Muito obrigado pela força… A música agradece.

      Reply

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *